9 de dezembro de 2020
(86) 99577-9242
portaldodelta.redacao@gmail.com
Logo do Portal do Delta
Publicidade

Postado por Delta em 09/dez/2020

FIEPI divulga 2ª pesquisa Sondagem da Construção Civil

A indústria de construção civil está em recuperação, com melhora nos índices de atividade e do número de empregados. Os dados foram obtidos pela pesquisa Sondagem da Indústria da Construção Civil realizada pela Federação das Indústrias do Estado do Piauí(FIEPI) em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada nesta terça-feira (07).
O nível de atividade em relação ao usual no critério “igual ao usual” apresentou o percentual de 45,5% em outubro, índice maior que o mês anterior, que foi de 30%. Este dado demonstra o retorno gradativo das atividades, mostrando um nível maior que o Nordeste, que foi de 37,7% e até mesmo do Brasil que foi de 42,2% no mesmo período.
O presidente da FIEPI, Zé Filho, explica que este aquecimento no setor era esperado para esse final de ano, considerando que o Piauí foi um dos poucos Estados em que a atividade da construção civil ficou proibida durante a pandemia.
O diretor de Assuntos Econômicos da FIEPI, Freitas Neto, ressaltou que este é o segundo mês que o Estado realiza sondagem da indústria da construção civil e ainda não existem muito parâmetro para comparar as evoluções, mas representa o início de um trabalho que com o passar do tempo se tornará uma importante ferramenta que ajudará a analisar o comportamento deste grande setor da indústria piauiense, principalmente quanto aos indicadores de produção e emprego, ou seja, o resultado da sondagem será importante para a toma de decisão e desenvolvimento da indústria da construção.
ANALISE REFERENTE AO MÊS DE OUTUBRO
A evolução no número de empregados, medida pelo número de empregados comparados ao mês anterior, mostrou uma estabilidade acima dos 50 pontos percentuais. Enquanto em setembro essa estabilidade estava em 35%, em outubro saltou para 54,5%, aproximando-se do Nordeste, com 59%. A redução do número de empregados, que foi de 20% em setembro, passou para 18,2% em outubro, muito próxima do Nordeste (16,4%) e do Brasil (16,9%). Já o aumento desse número de empregados passou de 35% em setembro para 27,3% em outubro, muito próximo ao do Nordeste (23%).
PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS 6 MESES 
As projeções para a indústria da Construção Civil estadual nos próximos 6 meses, tem se mostrado mais tímida se comparada ao mês anterior. Analisando o critério de aumento no nível de atividade, o Piauí passou de 55% em setembro para 45,5% em outubro. Apesar dessa perspectiva de redução de 9,5% o Piauí, manteve-se acima das projeções da região Nordeste, que foram de 36,9%.
A redução da expectativa também é notada com as compras de insumos e matérias-primas. Se mês passado a perspectiva de aumento das compras de insumos e matéria-prima era de 55%, em outubro recuou 5%, ficando em 50%. De qualquer forma o percentual supera a região Nordeste, que foi de 37,7% em outubro.
A pesquisa também mede a perspectiva de novos empreendimentos e serviços para os próximos 6 meses. Apesar de um recuo de 15% no Piauí (65% em setembro para 50% em outubro), mantém-se superior ao Nordeste (37,7%). A perspectiva do aumento no número de casos de infectados pela Covid-19 tem impacto nesse decréscimo, reforçando a cautela quando se trata de novos empreendimentos e serviços, cenário que pode tomar novos rumos após a vacinação.
O aumento dos empregos para os próximos 6 meses também teve uma significativa retração. Enquanto em setembro esta perspectiva era de 55%, em outubro caiu para 31,8%, muito semelhante aos 32% do Nordeste e aos 33,3% do Brasil.
As intenções de investimento para os próximos 6 meses, demonstra que, apesar da crise e da recessão econômica ocasionada pela pandemia da Covid-19, o Piauí ainda permanece otimista em relação à região Nordeste. Se na região o percentual das indústrias que responderam “sim,provavelmente” a intenção de investir é de 41%, no Piauí este percentual supera os 50 pontos, ficando em 59,1%, expectativa maior que a medida em setembro (45%). Esse cenário mais otimista aponta que a indústria local tem intenção de preparar-se para retomada das atividades com a crença de um mercado aquecido após a vacina contra a Covid-19 e a estabilidade econômica.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!