25 de julho de 2018
(86) 99577-9242
portaldodelta.redacao@gmail.com
Logo do Portal do Delta
Publicidade

Postado por Delta em 25/jul/2018

Sindicato culpa Sejus em caso de agentes que permitiram drogas em presídio

O embate Sindicato dos Agentes Penitenciários (Sinpoljuspi) versus Secretaria de Justiça do Piauí (Sejus-PI) segue acirrado sobre o afastamento de três servidores por, supostamente, facilitarem a entrada de drogas, celulares e outros objetos na Penitenciária Mista de Parnaíba. A presidência da categoria desses trabalhadores, em nota de repúdio lançada nesta quarta-feira (25/07), acusa a pasta de se omitir de tais responsabilidades contra ilicitudes “isoladas” no sistema carcerário do Estado.

Para o Sinpoljuspi, a Sejus quis “macular” a imagem do sindicato e de toda a categoria (Foto: Montagem OitoMeia)

Marcelo Oliveira da Costa, Francisco José dos Santos e José Maria Vieira Sobrinho tiveram o afastamento determinado como medida cautelar pela 2ª Vara Criminal de Parnaíba, com nota da Sejus sobre o caso, divulgada na última segunda-feira (23/07). Em 2017, as prisões dos acusados resultaram de um ano de investigações feitas pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco).

“PROVIDÊNCIAS FORAM COBRADAS”

Segundo a nota do Sinpoljuspi, no início da semana, a forma como a Sejus se posicionou sobre o assunto foi no sentido de “macular” a imagem do sindicato e da presidência da entidade, “equiparando-os à máfia de criminosos”. O texto, assinado pelo presidente Kleiton Holanda, ainda traz revelações de que, “em diversas oportunidades”, a diretoria cobrou providências da pasta contra a corrupção de agentes penitenciários.

“Por fim, que o secretário cumpra o seu dever institucional de gerir o Sistema Prisional e puna com o devido rigor qualquer servidor no caso de comprovado desvio de conduta no seu labor funcional, garantido o devido processo legal, sem perseguições e pessoalidades, mas com o estrito respeito aos princípios da administração pública”, argumentou a nota do Sinpoljuspi.

LEIA A NOTA DO SINPOLJUSPI NA ÍNTEGRA

NOTA DE ESCLARECIMENTO E REPÚDIO

O SINPOLJUSPI esclarece que o afastamento dos Agentes Penitenciários acusados de práticas ilícitas na Penitenciária de Parnaíba-PI ocorreu por imposição judicial, certamente devido a omissão administrativa do gestor da Secretaria da Justiça. O Sindicato acrescenta ainda que em diversas oportunidades cobrou ao Secretário da Justiça a adoção de providências em relação a práticas isoladas como esta.  Por oportuno, o Sindicato repudia, veementemente, acusações absurdas e declarações deletérias do Secretário com o objetivo gratuito de querer macular a imagem do Presidente do Sindicato e toda a categoria, equiparando-os à máfia de criminosos. Por fim, que o Secretário cumpra o seu dever institucional de gerir o Sistema Prisional e puna com o devido rigor qualquer servidor no caso de comprovado desvio de conduta no seu labor funcional, garantido o devido processo legal, sem perseguições e pessoalidades, mas com o estrito respeito aos princípios da administração pública.

Kleiton Holanda Pereira

Presidente do SINPOLJUSPI

O OUTRO LADO

Procurada pelo OitoMeia, a Secretaria de Justiça informou que, em nenhum momento, recebeu denúncias do sindicato sobre ações criminosas de agentes penitenciários. A pasta também reafirmou que, entre os afastados, há servidores ligados ao Sinpoljuspi, ressaltando ações duras contra quaisquer práticas ilícitas de trabalhadores.

Agentes penitenciários são afastados por envolvimento com crime organizado
(Foto: Reprodução)

LEIA A NOTA DA SEJUS NA ÍNTEGRA

NOTA SEJUS

A Secretaria de Justiça informa que as investigações sobre o envolvimento de agentes penitenciários no crime organizado foram iniciadas dentro do próprio órgão, que encaminhou e colaborou com todo o processo de investigação na justiça, resultando no afastamento dos servidores envolvidos. A secretaria destaca que toda e qualquer atitude ilegal será combatida duramente. Destaca-se ainda que em nenhum momento recebeu denúncias do sindicato sobre ações criminosas entre agentes penitenciários e que, entre os envolvidos afastados, há, inclusive, agentes sindicalizados e ligados ao sindicato.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!