10 de novembro de 2018
(86) 99577-9242
portaldodelta.redacao@gmail.com
Logo do Portal do Delta
Publicidade

Postado por Delta em 10/nov/2018

Tribunal de Contas da União pode rever situação da Vila Olímpica de Parnaíba.

O Tribunal de Contas da União (TCU) recomendou à Comissão Mista de Orçamento (CMO) que contratos de dez obras custeadas, no todo ou em parte, com recursos federais tenham a execução paralisada no próximo ano por apresentarem indícios de irregularidades graves.
São empreendimentos flagrados pelas auditorias com indícios de superfaturamento, projetos deficientes e sobrepreço, entre outros problemas. O acórdão com a relação chegou nesta semana à comissão e será analisado agora pelo Comitê de Avaliação das Informações sobre Obras e Serviços com Indícios de Irregularidades (COI), que é coordenado pelo deputado Covatti Filho (PP-RS).
Caberá ao comitê propor a paralisação ou não dos contratos. A Lei de Diretrizes Orçamentárias estabelece a rotina que deve ser seguida para referendar ou não a posição do TCU, como audiência pública com técnicos do tribunal e representantes dos órgãos públicos responsáveis pelos projetos e análise do impacto econômico e social da paralisação e do custo da desmobilização do canteiro de obras.
O relatório do comitê será votado na Comissão de Orçamento antes do relatório final do projeto da Lei Orçamentária de 2019 As obras identificadas com indícios de irregularidades graves, ou IGP, no jargão orçamentário, comporão um dos anexos da Lei Orçamentária (Anexo 6).
Os empreendimentos não poderão ser executados com recursos do Orçamento de 2019 enquanto não forem solucionadas as irregularidades apontadas.
Revisão
Pelos menos em dois casos o tribunal antecipou à comissão que poderá rever a sua posição, em direção a uma classificação menos rigorosa: a construção da Vila Olímpica de Parnaíba, no Piauí, cujos contratos com irregularidades já foram rescindidos e a construção da Fábrica de Hemoderivados e Biotecnologia, em Pernambuco, que já teve os pagamentos suspensos pelo gestor. O relatório do tribunal informa que os processos para reclassificação dos indícios já se encontram na mesa de ministros da corte.
No ano passado, o COI não incluiu os dois empreendimentos no Anexo 6 por estarem em vias de anulação, como de fato aconteceu.
Fonte: Agência Câmara. Fotos:parnaiba.com/180graus/JParnaiba. Edição: APM Notícias.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!